sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Aflição de amor

Meu coração não dispara ao te ver,
Por qualquer medo ou aflição,
Ele dispara só para avisar,
Que devo ir em sua direção...

E é quando tuas mãos percorrem meu pescoço,
pela minha pele teu amor a espalhar,
a minha boca pede em silêncio,
o que os meus olhos gritam só em te olhar...

Se insistes em aproximar devagar,
te peço que não demores,
tudo o que palpita em meu corpo,
pede com sede os teus toques...

E quando finalmente tocas meus lábios,
com os teus a tremer,
não me agüento sem demora,
A querer-te render...

Afago teus cabelos,
Aperto-me contra teu peito,
Para que saibas que não apenas te amo,
Desejo-te de corpo inteiro.


*Eita, essa eu tinha na manga... que saudade de sentir as palavras brotando de meus cabelos e chegando aos meus dedos

2 comentários:

Vinicius disse...

Bela declaração.
Feliz o sortudo de receber uma declaração dessas.

Rafael disse...

Linda, como sempre.