segunda-feira, 8 de setembro de 2008

DRUP

E nem todo caco é vidro,
alguns são espelho.
E nem toda luz,
esvaire escuridão,
há uma luz,
que ilumina é coração.

2 comentários:

Rafael disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Rafael disse...

Caco? Hum... Insinua despedaçado, sei não se à esse espelho isso pode ser aplicado...
Lindo poema, como sempre!